5 de novembro de 2014

Estudos, estudos, estudos

 Hey!

 Faz muito pouco tempo que fiz um post planejando uma programação pro blog pra ele ficar com mais posts, mais dinâmico e, não deu certo. É bem simples o porquê, e acho que é a mesma coisa de todo novembro, eu estou estudando muito.

 Esse ano eu me inscrevi no enem mas só pra eu passar pela experiência, porque ainda não tenho idade de ingressar numa faculdade. Por mais que eu nem tenha estudado muito estou usando esses últimos quinze dias pra me preparar para a prova. Então é muito provável que o blog volte ao normal após esse fim de semana.

 Mas na escola as coisas também estão a todo vapor, porque as aulas acabam dia 28 e já estou tendo que fazer trabalho, prova, apresentação, mais trabalho, mais prova. Eu gosto muito do blog e sei que os estudos são minha maior prioridade, mas acredito sim que eu vá conseguir voltar semana que vem.


Obrigado por ler
>.<


Post feito por: Mello

27 de outubro de 2014

Book Haul Setembro/Outubro 2014


Hey!

 Já faz tempo que não posto um book haul, mas é que não estou ganhando/comprando muito ultimamente. Mas mesmo assim juntando dois meses consegui fazer então vamos lá.



 Prince of Thorns, de Mark Lawrence - Eu fiquei bastante curioso em relação à esse livro, porque além da edição muito bonita teve muita gente elogiando a história. Eu o vi com uma queda de preço e não perdi tempo. - Será lido em breve - 

 Coração de Tinta, de Cornelia Funke - Como eu queria esse livro! Eu gosto muito do filme e sempre fiquei curioso com o livro mas eles sempre foram meio caros. Ele estava estacionado na minha lista de leitura mas não resisti. - Resenha em breve -


 Legend, de Marie Lu - Eu vi muitos comentário sobre ele também, dizendo que é uma das melhores distopias que tem. Isso é verdade, o livro é sensacional! - Resenha aqui -

 O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov - Esse livro eu recebi da escola e faz parte de uma coleção de contos de autores do mundo todo. Esse foi o primero livro com uma boa edição que ganhei da escola e fiquei curioso. - Sem previsão de leitura - 

 Cinder, de Marissa Meyer - Mesma coisa de Legend, comprei pelos comentários e por ser uma distopia, e também não me arrependi. - Resenha aqui -

19 de outubro de 2014

Fogo!


 Hey gente!

 Quando eu fiz o post sobre a programação disse que ia tentar trazer aos domingos temas que eu gosto. Mas com os acontecimentos de hoje percebi que certos assuntos precisam ser tratados, mesmo que não gostemos.

 Eu moro no estado se São Paulo e como muita gente sabe a seca aqui está sendo terrível. Como se isso já não bastasse, aqui na minha cidade houve uma queimada a uns 3 dias, não sei onde só sei porque caiu cinzas aqui em casa. Hoje ocorreu de novo, mas era aqui no meu bairro mesmo.

 Quando eu caminhei um pouco achei um cenário horrível, o fogo era algo impressionante. Mesmo que já tivesse varrido muito da vegetação ele ainda continuava com muita força, subindo em árvores gigantescas e se aproximando muito de casas, inclusive da minha. Depois que o fogo se afastou da minha casa eu fui tirar uma fotos.

 O fogo deve ter começado depois da hora do almoço, e ainda está ativo (22:00), porém mais afastado. O mais provável é que alguém tenha dado início a isso, e queria que esse tipo de gente pusesse a mão na consciência, o estrago foi grande, pode não ter atingido pessoas mas devastou muito, muito mesmo.

 Enquanto eu caminhava, já no final do dia (pouca luz, fotos sem qualidade) o fogo crepitava, meu olho lacrimejava, e eu me perguntava o que leva alguém a fazer isso. Nesse momento, enquanto eu estou escrevendo esse post, começou uma chuva, quanto à isso, só tenho a agradecer.






Post feito por: Mello

15 de outubro de 2014

Um ano de blog!


 Hey!

 Hoje é um dia muito muito muito especial! Por que? Porque faz exatamente um ano que fiz meu primeiro post aqui. Escrever sobre livros e outras coisas que eu gosto vem sendo uma experiencia ótima, sem dúvida.

 Quero só agradecer às pessoas que acompanham e comentam alguns dos posts, e também por cada visualização que me motivou ainda mais a continuar postando. Hoje eu fui lá conferir meus primeiros posts e a diferença é enorme! A escrita e a forma que eu fazia as crítica eram horríveis hahaha mas notar a evolução é gratificante. 

 Quando criei o blog um dos meus maiores medos era ele acabar não trazendo nenhum benefício pra minha vida e se tornar uma grande perda de tempo. Demorou pouquíssimo tempo pra eu perceber que poder escrever sobre coisas que eu gosto já fazia-o valer a pena, e depois percebi também que as pessoas acessam o blog, mesmo sem comentar nada ou curtir a fanpage elas acessam! Isso me deixou feliz. Pra não dizer que eu não ganhei nada material, eu recebi também um livro de parceria que eu gostei muito.

Além disso o que torna o dia mais especial ainda é o fato de hoje ser meu aniversário também, e ver o blog completando um ano é um presente que eu dei a mim mesmo. Então esse é o post de hoje, até a próxima.

Obrigado por ler
> <

8 de outubro de 2014

Resenha: Cinder, de Marissa Meyer


Crônicas Lunares #1
Autor: Marissa Mayer
Editora: Rocco
Páginas: 448
Gênero: Distopia, drama
Nota:
Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, Cinder é uma cidadã de segunda classe. Com um passado misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica. Primeiro volume da série As Crônicas Lunares, Cinder une elementos clássicos e ação eletrizante, num universo futurístico primorosamente construído.


 Se tinha uma coisa que eu morria de vontade de ler eram livros inspirados em contos de fadas, e nada melhor que um conto de fadas distópico, onde a princesa mocinha é um ciborgue. Digo desde já, não me arrependi.

 Eu sempre uso um parágrafo pra falar sobre o que ocorre mais ou menos na história, porém a sinopse resume tudo muito bem então não vou encompridar muito. Decidi falar logo sobre a falha do livro, que se resume simplesmente em um começo lento e não muito empolgante. Eu fiquei curioso pra saber o que viria desse livro mas o comecinho não é tão bom, mas é só o comecinho mesmo (primeiras 40 páginas, talvez). 

 Muitas coisa me agradaram. Acho que de início o que me surpreendeu foi a narrativa. Eu já li muitas distopias e essa é a primeira que não é narrada na primeira pessoa, mas acho que foi melhor assim nesse caso. A narrativa flui perfeitamente durante o livro, e ao contrário do que acontece em muitos livros narrados em terceira pessoa, eu não me dispersei nem um pouco.

 Os personagens foram feitos na medida certa, e eles fizeram com que o livro tivesse um toque bem realista. Cinder é o tipo de protagonista que me agrada, porque se valoriza e consegue ser egoísta pondo ela na frente dos outros. A família dela é constituída pela madrasta vaca  e suas irmãs que foram feitas de um jeito que lembra o conto clássico de Cinderela mas não idêntico. O príncipe Kai é ótimo, ele não corresponde ao príncipe que eu esperava. Por mais que ele tenha isso de  uma grande responsabilidade, não é algo irritante, ele se frusta e se irrita, demonstra sentimentos e sabe o que ser na hora certa. Tem também a vilã, Rainha Levana, que é uma vilã do tipo, super má hahaha.

 O romance tem seu espaço valorizado, e não é o tipo de romance meloso que eu tive medo de ser. A Cinder não fica morrendo de amores pelo príncipe, e o melhor é que o romance não tirou espaço da ação. Tem ação, não muita porque é um livro dramático mas quando necessário ela aparece, de uma forma bastante emocionante. A única coisa que podia se melhor foi o começo mesmo, porque de resto o livro é muito bom.

 De várias formas o livro me surpreendeu. Acho que em breve eu vou comprar o próximo livro, Scarlet, e espero que seja tão bom quanto esse.

 A edição me surpreendeu. Sem falar da capa e da lombada serem muito atrativas, o livro conta com muitos detalhes. A diagramação é ótima, e o tamanha das letras são ideais. Até na orelha tem detalher, ah, confiram as imagens.





 Post feito por: Mello

5 de outubro de 2014

Paixão pelo Mundo das Sombras

Hey!

Venho falar sobre algo que eu posso dizer que amo, então decidi falar um pouco sobre a minha relação com o Mundo das Sombras da Cassandra Clare.


 Desde pequeno eu gosto de ler, mas nunca lia freneticamente. Eu acredito que você só se torna um leitor ideal quando encontra o livro certo. Acho que foi em agosto do ano passado que eu li Jogos Vorazes e soube que ler é algo que tinha que fazer parte da minha vida.

 Foi perto do meu aniversário (se eu não me engano dia 12/10) que eu entrei na internet pra comprar Cidade dos Ossos e vi o box com os quatro primeiros volumes. Então eu acabei ganhando o box depois que chegou aqui em casa que eu vi que eram edições econômicas, mas nem me importei. Eu gostei gente, eu gostei muito! Parei em Cidade de Vidro porque resolvi seguir a ordem de publicação, e aí que vem a melhor parte, descobri As Peças Infernais.


 É difícil pra mim falar de As Peças Infernais. Eu me apeguei muito a tudo nesses livros. Ao enredo, a ação, ao romance e principalmente aos personagens. Jem, Tessa e Will formam a melhor equipe de personagens que eu já vi. Minha obsessão por esses livros é tão grande que eu tenho vontade de esconde-los hahaha.

 Eu não gosto muito de escolher entre uma das série da Cassandra, mas eu sei que minha favorita é As Peças Infernais, sempre vai ser. Os personagens da série já estão confirmados nas duas próximas trilogias que a Cassandra está escrevendo (Os Artifícios das Trevas e As Últimas Horas) e eu estou muito ansioso mesmo.


 Todos os livros foram publicados aqui n Brasil pela Galera, e os próximos também serão. Eu já resenhei todos, e vou deixar os links pra vocês.

 Os Instrumentos Mortais - Link
 As Peças Infernais - Link

 Eu ainda aguardo os próximos livros. Quem sabe daqui alguns anos eu não volte a postar sobre o Mundo das Sambras?


Post feito por: Mello

1 de outubro de 2014

Resenha: A Seleção, de Kiera Cass

A Seleção #1
Autor: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 368
Gênero: Romance, distopia
Nota:

Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.
 A Seleção trás um tipo de distopia que eu ainda não conhecia, e posso adiantar que essa foi uma boa nova experiencia. Vou tentar resumir em um paragrafo o que vocês vão encontrar no livro.

 Estamos em um futuro onde retornamos à monarquia, e em Illéa (país onde a história se desenvolve) temos a população dividida em oito castas. America (protagonista) é da casta cinco, a casta dos artistas, e considerada uma casta pobre. Ela vive um romance com Aspen, mas esse romance enfrenta problemas, como por exemplo ele ser de uma casta inferior a dela. O príncipe está a procura de uma princesa, então se inicia A Seleção, programa que seleciona 35 garotas para competir pelo príncipe e adivinhem só, America é sorteada. Ela não quer participar, mas precisa de dinheiro e está brigada com Aspen.

 Resumidamente tudo parte disso, o que é bom pois temos um foco maior no romance o que não é muito comum nas distopias. Na verdade não é questão de foco, ele é um livro de romance, muito bem construído.

 Narrado em primeira pessoa a história flui rápida e dinamicamente. Esse é o tipo de livro que consegue te deixar com as sensações de quem está narrando, o que é agradável porque a America é uma protagonista muito boa. Ela não é boba nem inocente, consegue ser egoísta e não ta nem aí pra ser princesa nem agradar  o príncipe o tempo todo fingindo ser alguém que ela não é.

 Os demais personagens são bons também mas antes de falar de cada um devo apontar algo que me incomodou bastante. Não estou dizendo que é igual mas sim semelhante. America vivia sua vida normalmente na pobreza com seu namorado, tendo problemas com a mãe e sendo muito apegada à irmã, então ela é sorteada e conhece o príncipe de cabelos claros que é gentil e educado, e que aparentemente ela detesta mas depois começa a duvidar de seus sentimentos. Desculpem mas achei isso muito parecido com o drama dos personagens em Jogos Vorazes.

 Mas não deixe que isso desanime você pois o drama entre os personagens em Jogos Vorazes é um pouco deixado de lado pela ação, e como aqui não tem ação esse drama é super bem trabalhado. Como já disse os personagens são ótimos, e eu já escolhi, sou team Maxon, sério, não tem como não gostar do príncipe. Então o triângulo amoroso se desenvolve a partir disso.

 Quanto à falta de ação. Teve uma parte que eu pensei "Oh meu Deus, é agora que o bicho pega", e nada. Acontece que rebeldes vivem atacando o palácio, e durante o primeiro livro isso ocorre duas vezes, e nas duas as selecionadas correm e se escondem junto da família real. Claro que isso é o que tinha que acontecer porém acho que a autora teve a oportunidade para dar um clímax surpreendente para o livro e não a utilizou.

 A nota foi quatro devido a essas falhas que eu encontrei mas eu vou continuar lendo, e recomendo pra todos que gostam de bastante romance sem lenga lenga.

 A edição é boa, a fonte, espaçamento e diagramação estão nos padrões. O livro não é meu, então eu já tinha devolvido para a dona e depois que vi a má qualidade das fotos, desculpem por isso.





Post feito por: Mello

28 de setembro de 2014

TAG: Isso ou Aquilo?


 Hey!

 Hoje eu vim responder uma TAG que se chama Isso ou Aquilo? Eu vi essa tag no canal do Bruno Miranda (link) mas quem traduziu foi a Tatiana Feltrin (link). Eu gosto bastante dessa tag e muita gente já fez, então espero que gostem. Quem quiser responder a tag fique à vontade.

1. Áudio book ou livro?

 Eu tive uma vez a infeliz curiosidade de tentar ouvir um áudio book, mas sinceramente detestei, é muito ruim e mal narrado, não passa a emoção que um livro comum costuma passar, e fica muito difícil de imaginar o que outra pessoa esta lendo em voz alta, então prefiro sem dúvida o livro comum.

2.Capa dura ou mole?

 Os dois são bons, mas acho que prefiro a capa dura. Acontece que pra ler, o livro de capa mole é melhor mas as edições dos que tem capa dura são mais bonitas, e como não leio livro físico fora de casa acho que vale o sacrifício pra ter um livro mais bonito na estante. Mas no Brasil, capa dura é raridade.

3.Ficção ou não-ficção?

  Eu prefiro os livros de ficção, acho que da pra perceber pelos livros que faço resenha. Eu gosto de livros de não-ficção mas nem tenho muita experiencia com eles, porquê acho os de ficção mais empolgantes e interessantes.

4.Fantasia ou vida real?

 Fantasia. Eu sou apaixonado por fantasia, e a maioria dos meus livros é de fantasia, eu sempre gostei e acho que sempre vou gostar porque é muito bom conhecer os "novos mundos" que alguns autores criam. Mas depois de muito tempo lendo fantasia eu dou uma enjoada, mas passa rápido.

5. Harry Potter ou Crepúsculo?

 Harry Potter, eu nunca li Crepúsculo, mas não gosto dos filmes e não gosto do universo da Meyer. Gosto de Harry Potter desde muito pequeno, então...

6. E-book ou livro físico?

 Até esse ano eu não tinha conseguido me adaptar aos e-books, mas levar meus livros pra escola ou pra qualquer outro lugar se tornou incomodo então eu passei a ler em e-book e me acostumei. Mas a sensação de pegar no livro, sentir o cheiro, não tem preço.

7. Comprar ou pegar emprestado?

 Claro que comprar. Eu gosto de ler o que é meu, e gosto de saber que quando acabar ele vai ficar na minha estante.

8. Livro único ou série?

  Depende, existem livros como os do John Green que são ótimos sendo únicos, talvez se tivessem uma continuação não seria tão bom mas meu livros favoritos são de séries, até porquê são de fantasia e fantasia é mais legal em série.

9. Livraria física ou online?

 Eu gosto muito de ir à livraria física e folhear o livro, ver a edição, dar uma lida nas primeiras páginas, mas eu só compro online, porquê o preço é muito mais acessível.

10.Livro longo ou curto?

 Depende da história, tem livros que são enormes e você consegue imaginá-lo sem alguns capítulos que seria bom do mesmo jeito (ou ruim) enquanto tem livros pequenos que podiam ser maiores.

11. Drama ou ação?

 Ação, fico meio entediado quando o livro é meio parado por mais que seja tenso ou emocionante, não sei, gosto de livro de ação.

12. Ler no seu canto ou tomando sol?

 No meu canto sem dúvida por dois motivos: a) Tenho dificuldade em me concentrar na leitura fora de casa e b) não gosto de sol.

13. Chocolate quente, café ou chá?

 Eu só tomo bebidas quentes no inverno,e eu odeio café. Lendo, eu prefiro um chá de camomila, muito cobertor, ah :3

 14. Ler resenha ou decidir por si?

 Eu prefiro ler resenha, até mesmo porque é frustrante comprar um livro ruim.Se vocês forem ver eu raramente dou uma nota menor que quatro pra um livro, porquê pesquiso muito antes. Os únicos livros que comprei sem pesquisar foi A Trilogia do Mago Negro, e me ferrei.


Eu espero que tenham gostado
obrigado por ler
> <

Post feito por: Mello

24 de setembro de 2014

Resenha: Legend, de Marie Lu


Legend #1
Autor: Marie Lu
Editora: Prumo
Páginas: 256
Gênero: Distopia, ação
Nota: +

De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.

 Não tinha jeito melhor de matar a saudade de distopias que ler esse livro magnífico! Tudo ocorre num mundo futurista, onde Day é o criminoso mais procurado da República e June é um grande prodígio. A partir disso já da pra perceber que o livro é sensacional.

 Quero logo falar do que mais me agradou, que sem dúvida foi a narrativa, que é em primeira pessoa, narrada capítulo por June, capítulo por Day. Nunca tinha lido nada narrado por mais de um personagem, e essa foi uma pegada muito inteligente da autora, durante o livro podemos acompanhar dois personagens tão diferentes, em lados diferentes da história, e o modo com que se encontram. Além disso a narrativa é super dinâmica, o tempo todo tem algo acontecendo, o livro não para.

 Os personagens são muito bons também. É difícil dizer que existe um protagonista, por mais que a June passe mais tempo narrando o livro que o Day. Gostei da personalidade de todos, principalmente do Day, e nem sei ao bem explicar o porque, ele é inteligente e habilidoso como a June, mas ela foi criada de uma maneira a acreditar que a República é perfeita, e custa a ela perceber o que realmente acontece ao seu redor.

 O romance do livro se desenvolve bem em meio a tanto caos, e não deixa que a história perca aquele romance bom de ler, e que te deixa ansioso. Porém você deve se perguntar. o que há de novo em Legend? Já não cansamos de ver um futuro onde o governo autoritário precisa urgentemente ser combatido, e que em meio disso dois protagonistas se aproximam? Sim, não existe nada de novo na ideia da história, somente elementos novos.

 Mas oque encanta mesmo em Legend é que nada sobra e nada falta, você não tenta apressar a leitura nem deixá-la mais lenta. Esse livro tem o melhor ritmo distópico que eu já acompanhei. Então quem ama e ação distopia tem que ler. Ação é oque não falta. Eu o fechei, já querendo o próximo.

"Cada dia significa novas 24 horas. Cada dia tem que dizer que tudo é possível de novo. Você pode aproveitar cada instante, pode morrer num instante, e tudo se resume em um dia após o outro."
 Quanto a edição, está de parabéns. A capa é feita muito bem. O espaçamento é ótimo, a margem, o tamanho das fonte, tudo. Também no canto das páginas tem um efeito "sujo" que é muito bem feito, não tenho nenhuma reclamação. Pena que o livro é super fino.








Post feito por: Mello

21 de setembro de 2014

Filme: Maze Runner - Correr ou Morrer

Título original
The Maze Runner

Lançamento 18/09/2014

Duração: 1h 54mim
Dirigido por Wes Ball
Com Dylan O'Brien, Aml Ameen, Will Pouter
Gênero Aventura, Ação, Ficção
Nacionalidade EUA




Ótimo



Em um mundo pós-apocalíptico, o jovem Thomas (Dylan O'Brien) é abandonado em uma comunidade isolada formada por garotos após toda sua memória ter sido apagada. Logo ele se vê preso em um labirinto, onde será preciso unir forças com outros jovens para que consiga escapar.

Mesmo sabendo que o filme podia ser melhor, Maze Runner me deixou em êxtase, chega a ser tão empolgante quanto o livro, mas não igual, e é aí que está o problema. 

 Vou começar apontando o defeito do filme. Para aqueles que leram o livro e acham que vão encontrar uma adaptação fiel como Jogos Vorazes ou A Culpa é das Estrelas, pode ir começando a se preparar, porque não é. O filme segue o roteiro do livro, mas as coisas não acontecem na mesma ordem e também algumas coisas deixam de ter uma solução complexa para ter uma mais simples. Me frustou um pouco, porém, não deixa de ser um filme ótimo.

 Outra mudança que eu encontrei foi um pouco na personalidade de um personagem, que é o Alby. Ele me soou simpático demais. Mas o Thomas, Tereza, Galy, Chuck e outros são como eu imaginei, talvez não todos fisicamente iguais mas com personalidades fiéis. Eu gostei muito dos personagens.

 Uma das minhas maiores preocupações eram como eles iam fazer o labirinto e os verdugos. Sinceramente, ficou simplesmente foda. É como eu imaginei, se não melhor, apesar de o labirinto ter algumas coisas diferente, e também algumas estadias dos personagens por lá não acontecerem no livro, ficou muito bom, nossa, muito mesmo.

 Pra quem leu sabe que no finzinho tem uma parte meio que emocionante, que no caso eu não me emocionei. Mais uma vez o filme surpreendeu, até brotou uma lágrima, aquela vontade de chorar, ficou bem feito o final também.

 Então é o seguinte. Como um filme, ele merece a maior nota, mas como adaptação deixou algumas coisas a desejar sim. Vale a pena? Vale, muito muito, corre pro cinema porque tenho certeza que qualquer amante de um bom filme de ação vai gostar.


Post feito por: Mello

17 de setembro de 2014

Resenha: O Nome do Vento, de Patrick Rothfuss



A Crônica do Matador do Rei #1 (Primeiro dia)
Autor: Patrick Rothfuss
Editora: Arqueiro
Páginas: 656
Gênero: Fantasia épica
Nota: +
Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso. Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O nome do vento acompanha a trajetória de Kote e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano - os lendários demônios que assassinaram sua família no passado.
Quando esses seres do mal reaparecem na cidade, um cronista suspeita de que o misterioso Kote seja o personagem principal de diversas histórias que rondam a região e decide aproximar-se dele para descobrir a verdade. 
Pouco a pouco, a história de Kote vai sendo revelada, assim como sua multifacetada personalidade - notório mago, esmerado ladrão, amante viril, herói salvador, músico magistral, assassino infame. 
Nesta provocante narrativa, o leitor é transportado para um mundo fantástico, repleto de mitos e seres fabulosos, heróis e vilões, ladrões e trovadores, amor e ódio, paixão e vingança.

 Mas que livro difícil de resenhar! Estou com a opinião dividida sobre muitas coisas nesse livro, e não sei se vou conseguir expressar tudo que esse livro nos passa.

 Como dito na sinopse, o livro é basicamente o Kote (Kvothe) contando sua história, que por sinal eu fiquei muito curioso, e ainda estou, já que ele exigiu do cronista três dias pra contar sua história e nesse primeiro livro temos somente o primeiro dia. Posso dizer que antes mesmo do Kvothe começar a contar a história eu já estava adorando.

 A narrativa é simplesmente ótima, como a maior parte é ele contando a história, acaba o livro quase todo sendo em primeira pessoa, mas temos pausas durante o livro. Tudo é muito dinâmico, conforme fui lendo o livro mais curioso fiquei, a agora estou ansioso pra começar a leitura do próximo volume.

 Alguns dos personagens se tornaram meus favoritos, sério. O Kvothe é incrível, ele não é a bondade em pessoa, tudo que ele faz é porque ele quer alcançar um objetivo. Uma vingança. Algo que me chamou a atenção é como o autor constrói os personagens femininos, não são "mocinhas", ai não tem como explicar, são ótimas, tudo aqui é feito de maneira muito inteligente.

 Posso dizer que pelo menos pra mim esse não foi o tipo de livro que eu peguei li e fechei, como grande parte dos YA (não que uma leitura fácil e leve seja sinônimo de uma leitura ruim). O Kvothe tem um ponto de vista muito diferente pra algumas coisas, ele as vezes descreve algo ou alguém de forma poética, ou diz coisas que me deixaram refletindo. Por isso dividi esse livro em duas partes. Então, acho também que se eu tivesse o lido a um ano atrás, talvez não tivesse gostado tanto, pois minha experiencia com a leitura não era tanta, então não recomendaria pra alguém que esta começando a ler.

 Também fiquei em dúvida sobre que nota dar pra esse livro. Eu tirei um estrela dele, porque teve um período aí (de 100 à 150 paginas) que eu achei meio que enrolação. Tem informações e coisas acontecendo, claro, mas podia ter sido feito de maneira menos cansativa. Mas é uma parte pequena dele que não é tão boa, então ele entrou pros meus favoritos mesmo recebendo quatro estrelas. 

 O próximo livro é o maior que eu tenho na estante (960 páginas) e provavelmente eu não vou lê-lo de uma vez, e menos provável ainda que eu o termine esse ano.

 Agora a edição, que me deixou decepcionado. Eu esperava muito mais de um livro com um preço tão salgado (variando de 30,00 à 50,00 reais). Eu posso dizer que tive muita sorte de comprar os dois volumes por apenas 33,00 reais no submarino. O espaço que se utiliza no início dos capítulos é bem menor que o normal e o tamanho da fonte também não é lá essas coisas.


Desculpem pela má qualidade dessa foto, tirei e a luz já estava pouca.


Achei esse mapa bem legal, é o que dizem, livro que tem mapa é livro bom.

 Post feito por: Mello

14 de setembro de 2014

Comunicado e programação!

Hey!

 Antes o comunicado rápido: o mês passado saiu como eu havia planejado, graças aquelas férias eu consegui planejar e antecipar vários posts, e lá no mesmo post eu reclamei que estava achando o blog um pouco desorganizado na questão do tempo entre os posts, então por isso vou criar uma programação pra deixar tudo mais organizado.

 Eu até pensei em fazer um programação que envolva 3 posts por semana, mas como eu estudo tem épocas que isso vai ficar difícil, mesmo tendo sempre alguns posts reserva graças ao mês de férias. Então acho que 2 posts por semana é o suficiente, não vai exigir muito de mim e não vai deixar o blog vazio. 

 Decidi pegar os dois dias da semana que menos estou atarefado pra postar, então eles vão ao ar no domingo e na quarta, começando por esse post aqui. Caso aconteça algo e eu não possa postar, ou não tenha o que eu postar, vai ficar pro próximo dia (planejo assim, pelo menos).

 Claro que esse blog é literário, mas ficar sempre postando só resenhas é um pouco cansativo, e não consigo arranjar tempo pra ler dois livros por semana hahaha. Então eu vou tentar, tentar fazer o seguinte: postar uma resenhana quarta e uma tag, ou crítica de filme, ou DYL, ou seja, algo que não seja resenha.

 Eu realmente espero que isso dê certo, e oito posts por mês é um bom saldo.



Obrigado po ler e 
até quarta
> <

Post feito por: Mello

9 de setembro de 2014

Filme: Capitão América: O Soldado Invernal

Título original
Captain America: The Winter Soldier


Lançamento 10/04/2014

Duração: 2h 8min
Dirigido por Anthony Russo, Joe Russo
Com Chris Evans, Scarlett Johansson
Gênero Aventura, Ação, Ficção
Nacionalidade EUA





Ótimo


Dois anos após os acontecimentos em Nova York (Os Vingadores - The Avengers), Steve Rogers (Chris Evans) continua seu dedicado trabalho com a agência S.H.I.E.L.D. e também segue tentando se acostumar com o fato de que foi descongelado e acordou décadas depois de seu tempo. Em parceria com Natasha Romanoff (Scarlett Johansson), também conhecida como Viúva Negra, ele é obrigado a enfrentar um poderoso e misterioso inimigo chamado Soldado Invernal, que visita Washington e abala o dia a dia da S.H.I.E.L.D., ainda liderada por Nick Fury (Samuel L. Jackson).

 Com toda certeza, posso dizer uma coisa: Capitão América é meu herói favorito. Já tinha tanto tempo que eu havia assistido o primeiro filme que eu mal me lembrava do quão bom é. Antes de eu começar a falar mais sobre o filme, quero dizer que assisti esse filme quatro meses depois do lançamento, então sinto não ter falado sobre ele antes, na verdade sinto não ter ido no cinema assistir esse filme. 

 Depois dos acontecimento em Os Vingadores, o Capitão começou a trabalhar para a S.H.I.E.L.D. Aqui nós temos uma coisa que me encantou demais, que são as conspirações, segredos do governo, e muito mais que podemos observar, se demonstrou ser um filme inteligente, ao contrário de alguns filmes de heróis que vemos por ai.

 Qui nós temos o personagens novos, ou não tão novos. Algo que tenho a dizer é que não deixe de assistir o primeiro filme porque muita coisa vai acabar ficando sem sentido. Eu não sou o especialista que consegue comparar o filme com os quadrinhos ou que consegue dizer quais foram as evoluções em relação a essa nova fase da Marvel, só digo que esse filme está muito melhor que o primeiro.

 O filme tem uma pegada mais tensa, mas existem tiradas de humor, e vemos também o lado emocional dos persongens. Tudo fez com que o filme não ficasse cansativo nem repetitivo, dando um toque de originalidade em muitos casos.

 As cenas de ação são realmente muito boas. Primeiro tempos o novo personagem, o falcão, quando eu descobri o que ele era capaz de fazer eu adorei, a forma que ele age é realmente empolgante; sou suspeito pra falar sobre a Viúva Negra porque ela é minha personagem favorita, inteligente, sedutora e não é toda certinha, realiza sua missão e luta bem que só ela; quanto as cenas do Capitão em ação posso dizer que ele ficou "fodão" demais, mas nada que tenha estragado o filme.

 Os personagens são ótimos, o clímax foi ótimo, a história é ótima e tenho certeza de que muita gente vai gostar, super recomendo.

Post feito por: Mello

5 de setembro de 2014

Resenha: Correr ou Morrer, de James Dashner

Maze Runner #1

Autor: James Dashner
Editora: Vergara & Riba
Páginas: 428
Gênero: Distopia, ação
Nota: ★+

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.
Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.
Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito. 

 Nossa, eu estou com dificuldade pra escrever sobre esse livro. Acho que gostei tanto que to com medo de acabar sendo mais um fã doido que um crítico, mas vamos lá.

 Nós começamos o livro com o Thomas em um elevador que sobe, sobe, sobe e sobe. Ele não tem memória, chega na clareira, onde existem muito mais garotos que também perderam a memória antes de entrar ali. Depois da chegada de Thomas tudo sai dos padrões normais da clareira, e ele pode ser o responsável.

 Eu tive receio de ficar meio perdido nesse livro, porque nenhum personagem tem memória, ninguém sabe de nada muito útil pra sair dali, então eu acabei ficando meio que ansioso. Não vou dizer que eu fiquei perdido, porquê o tempo todo tem coisa acontecendo e novas informações chegando, mas acontece que nada leva a lugar nenhum, nenhuma informação parece ajudar outras, e eu gostei disso, achei inteligente da parte do autor, deu uma grande dose de suspense ao livro.

 Além do suspense nós temos aventura o tempo todo, tipo, o tempo todo mesmo. Não teve um momento que eu tive vontade de passar algumas páginas a frente porquê foi extremamente raro o tempo em que o autor me deixou nos sentimentos dos personagens ou em algum diálogo parado.

 Os personagens são muito bons, mas são todos homens com exceção de apenas uma mulher que não é muito presente, mas isso não me atrapalhou. O Thomas se destaca pois é o protagonista, mas não sai sendo o fodão, os outros meio que "baixam o bola" dele. Tem personagem chato, engraçado, e tudo, foi simplesmente ótimo.

 O romance, bom, não tem. Nós temos uma leve sensação de que em um próximo livro quem saiba possa ter, mas aqui não e muito praticado não, até achei meio desnecessário a parte de romance que temos aqui, mas não sei o que esperar do próximo livro quanto a isso.

 Esse livro podia ser em primeira pessoa, porquê nós ficamos o tempo todo com o foco no Thomas, mas ficou muito bom desse jeito, é que eu tenho uma leve preferencia. A escrita é muito boa e simples, nada cansativa.

 Esse livro é mais pra quem gosta de ação mesmo, não tem momento agua morna nem momento romance adolescente, aqui tudo é rápido, tudo é voraz, tudo é runner.

 Eu gostei bastante da edição, a arte da capa é bonita e temos letras laminadas na frente e na lombada (que não somem com o tempo), falando em lombada eu gostei muito da disposição da lombada desse livro. A diagramação é ótima, letras medias, boa margem e espaçamento, a editora mandou bem!

 Estou louco pelo próximo, mal posso esperar. E vem filme por aí, ainda esse mês!





Post feito por: Mello

3 de setembro de 2014

Document Your Life - August 2014

 Esse é meu primeiro Document Your Life, caso você queira saber o objetivo desse projeto, da onde veio e como funciona tem um post aqui.

 Em agosto eu fui pra Campos do Jordão, uma cidade muito bonita e fria. Quero pedir desculpas pela qualidade, já que minha câmera não é profissional, e as gravações que fiz durante a viajem foram apressadas então muitas vezes pode ficar bastante tremido. Fora isso eu li, e registrei algumas cenas daqui de casa mesmo.




Post feito por: Mello

1 de setembro de 2014

Projeto Document Your Life


Hey!

 Eu disse que o blog ia voltar com algumas novidades, e uma delas é esse projeto fantástico chamado Document Your Life. Quando eu comecei a acompanhar alguns canais literários brasileiros, encontrei esse projeto no canal da Mariana Perazio (marianareads), e depois comecei a acompanhar em outros canais, principalmente estrangeiros.

 O projeto foi criado por Lauren Hannah, e tem o objetivo de juntar fragmentos de videos que você fez durante o mês, como se fosse um diário. Eu resolvi postar porque tenho um blog e gostei da ideia, já que o vídeo é sobre as coisas que me cercam, e eu gosto de registrar as coisas. Se você assim como eu não gosta de aparecer nos vídeos, não faz mal, aliás é o que acontece do seu ponto de vista.


 Eu peguei as regras traduzidas e adaptadas do blog da Mariana, porque gostei das adaptações que ela fez.


Regras - feitas pela Lauren, adaptadas pela Mariana.
  • Qualquer um pode participar. Exceto bruxos das trevas e lordes Sith. Danem-se vocês.
  • Tenha uma conta no Twitter
  • Você não precisa de uma câmera profissional, mas tente deixar com o máximo de qualidade possível. 
  • Música de fundo é obrigatória, mas tente colocar músicas pouco conhecidas pois seu vídeo pode ser removido do YouTube por violar direitos autorais.
  • Por ser um projeto estrangeiro, quem quiser participar tem que obrigatoriamente colocar a descrição do vídeo em inglês.
Descrição e tags:
  • Depois de ter feito o upload do vídeo, tweet o link com a tag #DocumentYourLife e se quiser tweet também para @projectdyl.
  • Use as tags "Document Your Life” e/ou “documentyourlife" quando estiver adicionando tags no YouTube.
  • Inclua o link para o blog oficial do projeto e a página no Facebook na descrição do vídeo (ou no post, se você for fazer em fotos). 
  • Coloque o nome da banda/artista e da música que você usou no seu vídeo e se possível um link para o site oficial deles como uma forma de agradecimento por ter usado a música.
 Outro ponto positivo é que esses vídeos/posts vão servir de lembrança para quem aderiu o projeto. 

Vou deixar alguns vídeos de algumas pessoas que participam do projeto:

Lauren Hannah


Mariana Reads 


Ler ou Não Ler? (Luiz)

Post feito por: Mello